Quem sou eu


2 de dezembro de 2009

Desabafos e aulas de Libras

Não estou inspirada para escrever algo interessante aqui. Só gostaria de falar que neste semestre não fiquei tão empolgada em ministrar as minhas aulas de inglês. Fiz o meu trabalho, lógico. E bem feito, na medida do possível, visto que tivemos milhares de abacaxizinhos pra descascar no CL-UFG (pra quem não sabe: Centro de Línguas). Acho que esses tais "abacaxizinhos", juntamente com a falta de comprometimento da maioria dos alunos (e olha que são adultos, héim?), afetou a minha empolgação. As turmas que tive neste semestre foram mais "trabalhosas" do que algumas turmas de adolescentes (com hormônios à flor da pele) que tive algum tempo atrás. Não sei se vale a pena continuar no ano que vem... Só um desabafo...

Com relação ao meu trabalho como tutora em um curso a distância (de extensão, oferecido pela UFG, chamado GDE: Gênero e Diversidade na Escola), vai indo bem. Conheci várias pessoas, tenho os materiais que os alunos têm, posso participar das reuniões dos professores formadores e orientadores acadêmicos etc.. Tudo vem contribuindo e muito para o meu crescimento pessoal, profissional e acadêmico.

Visitem o site do Ciar (Centro Integrado de Aprendizagem em Rede): http://www.ciar.ufg.br/v3/

Agora, uma historinha: faço tutoria durante a semana no horário noturno e no sábado de madrugada (das 9 ao meio-dia). Num desses sábados atrás realizou-se no polo de Catalão um encontro presencial do curso de Artes Cênicas da UFG. Neste dia, fui convidada para almoçar no polo mesmo. Cheguei atrasada e me sentei em uma mesa onde somente três pessoas estavam comendo. Comecei a entrar na conversa - tava muito boa - mas reparei que uma mulher que estava sentada ao meu lado só olhava pra mim e dava um sorrizinho. Não mexia a cabeça, concordando ou não com o que eu dizia. Só ficava parada, sorriso aberto, me olhando falar. Depois de um tempinho, uma outra mulher, que estava sentada frente à esta, começa a falar em libras com ela. Foi aí que a ficha caiu e vi que esta era a intérprete e a outra, a que estava ao meu lado, era surda. Vai ser loira pra lá!kkkkkkkkkkkkkkk! Depois comentei com elas que eu gostaria muito de aprender libras, que a UFG daqui de Catalão estava oferecendo um curso de LS, mas como este era realizado à noite e eu trabalho à noite também, não poderia participar. Conversamos um pouquinho e fui embora. Uma semana se passa e eu me encontro com ela (no polo) novamente. Ah, esqueci de falar! O nome dela é Núbia. Descobri que ela é professora de Libras do curso de Artes Cênicas e que a intérprete não a estava acompanhando daquela vez. O tutor do curso deixou eu assistir ao encontro presencial e gostei muito. Estava tão interessada em aprender a língua dos sinais, que ela me integrou à turma rsrsrs! Fiz atividades, participei até de teatros (em libras!!!). Ainda bem que a turma tinha começado o curso há pouco tempo, então não fiquei completamente perdida. Foi muito legal, muito proveitoso, interessante e engraçado.



Acho muito importante aprender libras. Acho que todos os professores têm a obrigação de aprender... pensando bem, não. TODOS têm a obrigação de aprender as LS. Inclusão, JÁ!


Estou cansadérrima. Vou parar por aqui. Só peço para refletirem sobre a língua dos sinais. Você tem a oportunidade de aprender? Vai agarrar esta oportunidade bem forte ou vai deixar ela passar? Aprender libras é o mesmo e/ou tem a mesma importância que aprender outro idioma mais... vamos dizer... "comum", como inglês, francês, espanhol? Qual é a importância do ensino-aprendizagem da língua dos sinais, não só no Brasil, mas no mundo inteiro?





Visitem o site http://www.libras.org.br/libras.php Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Send me a letter!

denisebongiovi@yahoo.com.br

Selinho! =*